terça-feira, 31 de agosto de 2010

Manda chuva!


Na mão direita tem uma roseira
Que dá flor na primavera...

Primavera, chega logo, por favor
Não aguento mais esse calor,
essa secura...

Mas enquanto a chuva não chega,
o soro fisiológico de cada dia,
nos dai hoje.

Amém


Meus momentos 2 (+ fotos da webcam)



Olá Mundo,Hoje meu nariz acordou muito expressivo e decidiu que queria ser modelo fotográfico.
Ah!!! só o meu nariz mesmo...
Liguei a webcam e tirei essas photinhos aí:






sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Complicar pra quê?

Na última segunda feira estava conversando com um amigo (Marcos) que me disse certas coisas que ficaram reverberando em mim...
Ele fez a seguinte pergunta: "Qual a diferença entre o azul e o vermelho?"
E depois de alguns segundos respondeu: "A diferença é que o azul é mais azul e o vermelho é mais vermelho."

Pensei, pensei e cheguei a uma simples reflexão: Existem coisas que são muito simples e a gente insiste em complicar... Descompliquemos!

Como diria Anton Arrufat através de uma de suas personagens: "Deixemos as definições e comamos os guanábanos."


quarta-feira, 25 de agosto de 2010

A história do mexilhãozinho feio



Era uma vez um mexilhãozinho feio...
Ele era tão feio, mas tão feio, que todo mundo morreu.
Fim!

Tentativa


Queria que vissem quem sou

O que sou,

Como sou


Abri meu peito ao meio dia

De um dia qualquer,

Memorável dia



Não entenderam

Acharam muito contemporâneo

De uma natureza barroca,

levemente surrealista

(alguns diriam expressionista, outros, melhor nem comentar)


Definitivamente,

Não compreenderam

Uni peles e músculos

E dei dolorosos pontos...


Em processo de cicatrização!



sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Gerador de nome de pobre

Muito engraçado esse site que encontrei... não me perguntem como!!!

Já pensou como seria seu nome se você fosse pobre?
Clique aqui e descubra o seu nome e ainda o nome do pai e da mãe, de acordo com o nível de pobreza.

O meu ficou assim: Waldecyr Uélinto Róliudi da Silva


Boa diversão!
***Não esqueça de comentar... colocando seu nome de pobre.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

O Drama de Angélica

Alvarenga & Ranchinho




Ouve meu cântico quase sem ritmo
Que a voz de um tísico magro esquelético...
Poesia épica em forma esdrúxula
Feita sem métrica com rima rápida...

Amei Angélica mulher anêmica
De cores pálidas e gestos tímidos...
Era maligna e tinha ímpetos
De fazer cócegas no meu esôfago...

Em noite frígida fomos ao Lírico
Ouvir o músico pianista célebre...
Soprava o zéfiro ventinho úmido
Então Angélica ficou asmática...

Fomos ao médico de muita clínica
Com muita prática e preço módico...
Depois do inquérito descobre o clínico
O mal atávico mal sifilítico...

Mandou-me célere comprar noz vômica
E ácido cítrico para o seu fígado...
O farmacêutico mocinho estúpido
Errou na fórmula ez despropósito...

Não tendo escrúpulo deu-me sem rótulo
Ácido fênico e ácido prússico...
Corri mui lépido mais de um quilômetro
Num bonde elétrico de força múltipla...

O dia cálido deixou-me tépido
Achei Angélica já toda trêmula...
A terapêutica dose alopática
Lhe dei em xícara de ferro ágate...

Tomou num folego triste e bucólica
Esta estrambólica droga fatídica...
Caiu no esôfago deixou-a lívida
Dando-lhe cólica e morte trágica...

O pai de Angélica chefe do tráfego
Homem carnívoro ficou perplexo...
Por ser estrábico usava óculos:
Um vidro côncavo o outro convexo...

Morreu Angélica de um modo lúgubre
Moléstia crônica levou-a ao túmulo...
Foi feita a autópsia todos os médicos
Foram unânimes no diagnóstico...

Fiz-lhe um sarcófago assaz artístico
Todo de mármore da cor do ébano...
E sobre o túmulo uma estatística
Coisa metódica como Os Lusíadas...

E numa lápide paralelepípedo
Pus esse dístico terno e simbólico:

"Cá jas Angélica
Moça hiperbólica
Beleza Helênica
Morreu de cólica!"

SÊ INTEIRO

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa.

Põe quanto és
No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive


(Ricardo Reis)

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

+ Coisas que encontro por aí

Fabuloso Imaginário transmutado pela cor

Como já se pode notar, esse espaço ganha a partir de hoje novas cores...

Acho que agora sim está mais de acordo com meu imaginário fabuloso e com a famosa expressão que pode nos levar para onde quizermos:

"IMAGINA..."


quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Sem pretensão

Se Freud não explicar,
Eu explico.
(Do meu jeito)

Isso é um Poema?

Na beira da estrada deixei a bicicleta
Amarela
quando a pedra caiu na água...
nasceu um pé de abacate

Os passaros passavam
Os bois boiavam

– Por que , bicicleta amarela, não revelas o que tu és?
– Se vieres de mansinho a ti revelarei
Sou aquilo que tu era, aquilo que um dia serei
Sereia de pedra molhada
Quando o pé de abacate nasceu.

Pedra + água = pé de abacate
Seria uma semente a pedra?

Pedra molhada = sereia
Seria a sereia um pé de abacate?

Seja como for,
A bicicleta
Amarela
É do Samuel